Projeto de implantação da usina termoelétrica Porto de Sergipe é apresentado na ASEOPP

 

O presidente das Centrais Elétricas de Sergipe S.A – Celse, Eduardo Maranhão e o diretor de operações, Edio José Rodenheber, responsáveis pela implantação da Usina Termelétrica Porto de Sergipe participaram da reunião-almoço da Associação Sergipana de Empresários de Obras Públicas e Privadas – ASEOPP, onde fizeram uma exposição sobre a construção da usina localizada no município de  Santo Amaro das Brotas.  A Celse foi criada pelos acionistas pelo grupo EBrasil (50%) e GG Power (50%).

 

O vice-governador Belivaldo, Chagas, o secretário de Desenvolvimento Econômico, José, Augusto Carvalho, o assessor especial do governo, Oliveira Júnior, o diretor-presidente da Codise, Rosman Santos, o diretor-presidente da Cohidro, Felizola Filho e os deputados Luciano Bispo e Zezinho Guimarães, também participaram da reunião.

 

Abrindo a reunião, o presidente da ASEOPP, Luciano Barreto, agradeceu a presença e lembrou que a usina foi um sonho que nasceu com Marcelo Déda em 2011 e que ele teve a oportunidade de acompanhar de perto. “Um empreendimento que pode mudar a história econômica de Sergipe”, disse Luciano afirmando que a construção civil de Sergipe está pronta e preparada para colaborar com a implantação da usina. “Apelo que pelo menos consultem as empresas sergipanas, que são sérias e fazem obras com qualidades”, explicou.

 

Implantação – O presidente da Celse, Eduardo Maranhão fez uma exposição ampla sobre a implantação, todos os detalhes do empreendimento e o cronograma de implantação. “É a maior usina termoelétrica do país e nós escolhemos uma parceria com a GE cuja competência é inquestionável”, explicou. Eduardo disse que vem buscando recursos não só no Brasil, mas também no exterior. “Nossa previsão é que em janeiro de 2020 entramos em operação”, revelou, afirmando que o navio de 330 metros eu ficará ancorado com o gasoduto subterrâneo até a usina chegará até dezembro de 2018.

 

Obras civis – Sobre as obras, o diretor de operações, Edio Rodenheber explicou que a usina terá a montagem de 91 módulos com 30 centímetros de comprimentos, mas terá as chamadas obras civis nas partes administrativas e também de acesso. Essas obras devem iniciar agora e terminarem até o fim de 2018. Edio explicou aos associados a necessidade de realização de um cadastro para que as empresas sejam habilitadas a participarem.

 

Relacionamento – O vice-governador Belivaldo Chagas lembrou da importância da parceria do grupo com as empresas locais. “Fico feliz de ajudar a estreitar este relacionamento”, disse, para enaltecer o trabalho de Luciano Barreto, que mesmo bem sucedido é incansável na luta para fortalecimento das pequenas e médias empresas sergipanas. “E esta obra certamente atrairá outros investimentos para Sergipe”, disse.

 

 

Usina –  Maior investimento privado já realizado em Sergipe, orçado em R$ 5 bilhões, a Usina Termoelétrica (UTE) Porto de Sergipe diversificará a matriz energética do país, baseada em hidrelétricas e com risco de apagões por conta da seca. Com capacidade de gerar até 1.516 MW de energia, a usina pode atender 15% da demanda por energia no Nordeste. A Porto de Sergipe I é o primeiro projeto entre os demais previstos para o Complexo de Geração de Energia Governador Marcelo Déda, localizado na Barra dos Coqueiros. Todo o complexo poderá gerar 3 mil megawatts de energia. A previsão é que as obras durem 36 meses, gerando 1.700 empregos diretos e indiretos neste período, para estar em plena operação em janeiro de 2020.