Associados da ASEOPP debatem demandas para fortalecer segmento em Sergipe

Criada há 12 anos a Associação Sergipana dos Empresários de Obras Públicas e Privadas – ASEOPP, já é referência não só em Sergipe, mas em todo país na luta para fortalecimento do setor e pela competitividade mais igualitária para as pequenas e médias empresas. Na reunião-almoço desta semana a diretoria reforçou a necessidade de reforçar essa luta coletiva para que as demandas sejam atendidas na atual fase que passa o setor em todo país.

Ao abrir a reunião-almoço o presidente da ASEOPP, Luciano Barreto informou sobre algumas demandas que ele está levando para setores da área em Brasília e avaliou que a tendência do governo federal é priorizar o financiamento com recursos da poupança para incentivar as faixas mais baixas da população.

O vice-presidente de Obras Privadas, Geraldo Majela de Menezes Neto, registrou que a associação fez parcerias este ano importantes, com a realização de cursos juntamente com o Sebrae/SE, CREA/SE e o Clube de Engenharia como por exemplo, o seminário sobre perspectiva para a construção civil, palestra sobre Ética & Compliance, sobre “Cidades do Amanhã”, entre outros. Majela informou que o novo secretário de Infraestrutura do Estado, Ubirajara Barreto, já foi convidado para apresentar o planejamento para á área juntamente com o comando do DER, Deso e Cehop. Majela defendeu a necessidade da somação de todos na luta por melhorias para beneficiar o setor e, consequentemente, todos os associados.

Geraldo Majela também destacou o trabalho realizado através do Fórum Empresarial onde ele, Carlos Eduardo e Francisco Barreto são representantes da entidade e vêm debatendo algumas demandas como as normas novas de acessibilidade nas obras, a necessidade de aprovação da reforma da previdência e as mudanças que devem ser apresentadas pelo governo federal. “Enquanto a reforma da previdência não for aprovada nenhum plano de desenvolvimento na parte de obras  e habitação serão anunciadas”, explicou.

Já o vice-presidente de obras públicas, Francisco Otoniel de Mesquita Costa, relatou as dificuldades que o setor vem enfrentando nos últimos meses e conclamou aos associados para se unirem mais ainda na defesa coletiva das demandas. “Cada um de nós passamos por dificuldades, uns mais, outros menos, porém o importante é fortalecer essa união para encontrar o caminho mais rápido para sairmos desta fase”’, ressaltou.

Francisco Costa pediu aos associados que aproveitassem o momento para expor suas demandas para encontrar soluções com o apoio de todos.  Costa registrou ainda que faz parte de um grupo de discussão do “Minha Casa, Minha Vida”, nacionalmente e vem discutindo, entre outros, o Recolhimento Especial de Tributação, RETI. “Estamos lutando para sair um projeto de lei”, disse.

A associada Noemi Leite Lima, empresaria do ramo de gerenciamento e tratamento de resíduos sólidos falou que a empresa está adequada as normas existentes e está com todas as licenças.  Noeli pediu o apoio dos colegas da associação não só na contratação dos serviços da empresa, mas na necessidade de Sergipe ter um decreto, como já existe em vários estados, de reutilização do material da construção civil. “Nossa empresa está preparada não só para transportar, mas para retornar com o produto manufaturado”, explicou. Ao concluir a reunião-almoço o presidente, Luciano Barreto, informou que a luta da ASEOPP em melhorar a nova lei das licitações ganhou uma nova batalha com o relator da proposta na Câmara dos Deputados, Augusto Coutinho (Solidariedade-PE), acatou seis das oito propostas apresentadas pela entidade. Luciano informou que a entidade está lutando para ser ouvida na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado.